Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
6/08/19 às 12h38 - Atualizado em 13/08/19 às 17h20

Decreto centraliza na CGDF atividades das Unidades de Controle Interno dos órgãos do GDF

COMPARTILHAR

 

O objetivo é racionalizar o serviço, aumentar a eficiência e fortalecer a mão de obra na Controladoria

 

A Controladoria-Geral do Distrito Federal (CGDF) vai centralizar, a partir de agora, as atividades das Unidades de Controle Interno (UCIs) dos órgãos e secretarias do DF, consideradas de menor complexidade. A determinação está no Decreto nº 39.988/19 do governador Ibaneis Rocha, publicado nesta terça-feira (06/08), no Diário Oficial do DF. O objetivo é racionalizar o serviço, aumentar a eficiência e fortalecer a mão de obra na Controladoria, que está com carência no seu quadro de pessoal. Foram centralizadas na CGDF 15 UCIs e deixarão de ser criadas outras oito.

 

A criação das UCIs nas Secretarias de Estado foi estabelecida no Decreto nº 32.752/11, que já previa a racionalização administrativa. Essa norma disse ainda que a direção dessas unidades seria ocupada exclusivamente por auditores de controle interno.

 

A centralização do trabalho das UCIs também estava prevista no novo Regimento Interno da CGDF, instituído pelo Decreto nº 39.824/19. “A centralização das UCIs, definida em dois decretos distritais, é um importante processo de racionalização, uniformização e fortalecimento da segunda linha de defesa/controle”, ressaltou o controlador-geral do DF, Aldemario Araújo Castro.

 

O controlador-executivo, Guilherme Modesto Mello, informou que o Comitê das Organizações Patrocinadoras da Comissão Treadway, conhecido como COSO, propõe um modelo de controle baseado em três linhas de defesa. “A primeira linha de defesa é feita pelo próprio gestor do órgão. A segunda linha, que era realizada pelas UCIs, agora será centralizada em uma unidade criada dentro da Subcontroladoria de Controle Interno da CGDF, especificamente para trabalhar com isso – a chamada de Coordenação de Unidades de Controle Interno. Já a terceira e última é a auditoria interna”, explicou.

 

Guilherme Mello ainda destacou que “além da racionalização para o aumento da eficiência, a CGDF ganha com a volta de auditores de controle interno que estavam nesses órgãos e, agora, retornarão para aumentar a nossa força de trabalho”.

 

Leia aqui a íntegra do Decreto.