Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
14/11/18 às 16h17 - Atualizado em 5/12/18 às 12h15

Escola Classe Basevi recebe controladora-geral adjunta, Liane Angoti

COMPARTILHAR

Visita foi para verificar cumprimento da etapa do Desafio

Era uma quadra em condições precárias e que oferecia riscos para os alunos da Escola Classe Basevi, por conta dos alambrados danificados e com arames pontiagudos expostos.  Daí veio a auditoria cívica, a consequente identificação do problema, e a proposta a ser apresentada para cumprir a etapa do Desafio. Nasceu o projeto “Gol de placa, Basevi revitaliza quadra esportiva”.

 

Os alunos, cientes de que precisavam de uma nova área de esporte e lazer, escolheram fazer um mutirão para mudar a situação da quadra também utilizada pela comunidade. A proposta foi colocada em prática com a parceria entre alunos, professores, pais de alunos, associações comunitárias, comerciantes e moradores da vizinhança.

 

Eles utilizaram material reciclável, doações e mão de obra voluntária. E a quadra ficou novinha, com traves, cercas, piso e lixeiras pintados, redes novas, cercada de vasos feitos em pneus com flores e plantas cultivadas pela própria escola.

 

Plantas e flores que são cultivadas pela própria escola adornam os arredores da quadra.

 

“Vocês estão de parabéns, estou muito orgulhosa do projeto de vocês”, disse a controladora-geral adjunta Liane Angoti, à diretora da Escola Edi Silva Pires, e à vice-diretora Virginia Damasceno, em visita àquela unidade de ensino nesta terça-feira (13.11).

 

 

Liane foi até o local para verificar se o projeto foi executado conforme proposto pela escola para cumprir a etapa do Desafio.

 

Participação no Controladoria na Escola

 

Com 269 alunos cursando do 1º ao 5º ano do ensino fundamental, a Escola Classe Basevi inscreveu 39 alunos do 4º ano para participar do projeto Controladoria na Escola. No entanto, as atividades envolveram os alunos de todas as séries e acrescentaram muito aprendizado para os pequenos estudantes.

 

“Ser honesto”, “ valorizar a escola”, “tem que cuidar”, “não pode jogar lixo na quadra”, foram algumas das afirmações que os alunos fizeram para a controladora-geral adjunta quando ela indagou sobre o que eles aprenderam durante a participação no projeto.

 

De acordo com a diretora, a maior alegria foi ver a devolutiva da comunidade. “O melhor foi ver envolvimento de todos. A partir do que fizemos na quadra, as pessoas começaram a perceber que outras ações podem ser feitas para melhoria de todos na comunidade”, disse.

 

Ao ser questionada por Liane sobre a maior dificuldade enfrentada na execução do projeto, Edi afirmou que foi o clima chuvoso, que atrasou a pintura da quadra, e o tempo curto para concluir a etapa.

 

Outros ganhos com o projeto

 

Durante a auditoria cívica, a diretora contou que o maior problema encontrado foi a situação dos banheiros masculino e feminino. Como eram necessários muitos recursos financeiros para a reforma, eles desistiram da ideia.

 

Mas a vistoria de um engenheiro da Secretaria de Educação com a finalidade de verificar quais reparos a unidade estava precisando, a história mudou.  Eli mostrou o relatório da auditoria cívica, apontando a precariedade dos banheiros. Por ser uma obra grande, ela não estaria incluída nos reparos a serem feitos. No entanto, uma semana depois, o engenheiro retornou e autorizou a reforma, que já está sendo feita.

 

O jardineiro da escola, José de Ribamar Moraes da Silva, foi escolhido pelos alunos para ser o herói do desenho da etapa da tarefa especial.

 

Por: Cristiane Pitta