Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
21/08/19 às 16h34 - Atualizado em 28/08/19 às 9h41

Parceiros destacam importância do projeto de controle social da CGDF “De Olho na Educação”

COMPARTILHAR

O projeto foi lançado na Câmara Legislativa do DF, nesta terça-feira (20/08)

 

Para estimular a participação da comunidade escolar em ações cidadãs e de controle social, a Controladoria-Geral do Distrito Federal (CGDF) lançou o 1º Prêmio de Olho na Educação – Jovem – Edição 2019, nesta terça-feira (20/08), na Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF). O projeto piloto de controle social em escolas conta com diversos parceiros, públicos e privados.

 

O objetivo é estimular a participação de alunos, professores e de toda equipe das escolas em ações cidadãs e de controle social, para melhorar os problemas encontrados e replicar boas práticas. Participam dessa 1ª edição quatro escolas públicas de gestão compartilhada com a Polícia Militar do Distrito Federal (Centro Educacional 01 da Estrutural; CED 3 de Sobradinho; CED 7 de Ceilândia; CED 308 Recanto das Emas), três do Sistema SESI/SENAI (SESI/SENAI Sobradinho, SESI Gama, SESI Taguatinga), além do Centro de Capacitação Profissional – Programa Fábrica Social.

 

Na abertura o controlador-geral do DF, Aldemario Araújo Castro, destacou o papel fundamental dos parceiros do projeto De Olho na Educação. “Seria absolutamente impossível a Controladoria sozinha levar à frente um projeto dessa magnitude. Eu falei pouco para poder dar a oportunidade a todos os parceiros de manifestarem a importância e o entusiasmo pela participação no projeto. A ideia pode ser da CGDF, mas ela só se torna realidade por conta de todos os parceiros que estão aqui agora. A CGDF não conseguiria fazer um milésimo sem a presença dos parceiros, inclusive os alunos, que são os destinatários desse projeto”, ressaltou.

 

Na apresentação do projeto, o subcontrolador de Transparência e Combate à Corrupção, Paulo Wanderson de Martins, informou que o projeto é um aprimoramento do projeto Controladoria na Escola, criado em 2016 pela CGDF para estimular o controle social. “A função dos órgãos públicos de controle é primorosa, mas não é o suficiente para estancar o mal que assola o nosso país, que é a corrupção. Então, precisamos do apoio da sociedade, do cidadão. Nós temos hoje vários instrumentos de controle social disponibilizados ao cidadão, como o Portal da Transparência e o OUV-DF. E é nessa direção que o projeto de Olho na Educação caminha, porque ele visa estimular a participação social”, disse.

 

Paulo Wanderson afirmou que o esse é um projeto de construção conjunta e em suas diretrizes estão o incremento da participação cidadã, a disseminação de conceitos de educação fiscal, além da formação de cidadãos críticos, que conheçam os seus direitos, mas também os seus deveres. “Queremos empoderar a comunidade escolar de conhecimento e uso dessas ferramentas de controle social”, observou.

 

Autoridades

 

O vice-governador, Paco Britto, enfatizou que o projeto tem a colaboração de 16 parceiros e que busca despertar no estudante, nos pais e professores a consciência de que eles podem ser protagonistas da nova construção da escola que todos desejam ter. “O projeto lança uma semente para que cada um viva uma cidadania de maneira ativa, em todos os contextos sociais, que é a maneira de transformar toda a sociedade, fazendo do espaço e do serviço público um espaço e serviço de todos”, disse.

 

O presidente da CLDF, Rafael Prudente, também prestigiou o evento e parabenizou o controlador-geral Aldemario Castro, por dar continuidade ao projeto, iniciado no governo passado. “O senhor pode contar conosco aqui, com os 24 deputados distritais, porque todos têm essa preocupação com a educação da nossa cidade”, afirmou.

 

Ele colocou à disposição do projeto a Escola do Legislativo, que vai capacitar, a partir dessa semana, dezenas de professores de rede de ensino no tema Democracia e Cidadania. “Nos últimos três anos nós recebemos 30 mil alunos. Muitas vezes o jovem e o aluno não sabem o que acontece aqui e não sabem que o que nós tratamos aqui vai modificar e vida dele e da família dele. Eles têm que participar desse debate”, comentou.

 

Rodrigo Delmasso, vice-presidente da Câmara Legislativa do DF, enfatizou que é uma honra para ele apoiar o projeto de Olho na Educação por meio de emenda parlamentar. “Já é o segundo ano que fazemos isso e é importante salientar porque, muitas vezes, as emendas são criminalizadas por parte da imprensa, que afirma que elas são usadas de forma abusiva aos olhos da opinião pública. E aqui está um exemplo de que, um parlamentar, uma bancada,  ou deputados bem intencionados, utilizando sua prerrogativa que é a destinação de recursos no orçamento, podem apoiar e viabilizar um projeto como esse.”

 

Para ele, “o projeto vai mobilizar essa nossa juventude que está hoje extremamente conectada e informada e, acima de tudo, que quer participar das reais mudanças das políticas públicas em Brasília e no Brasil”.

 

Já o secretário de Educação e Trabalho, João Pedro Ferraz, fez um agradecimento especial ao controlador-geral, Aldemario Castro. “Um projeto como esse é de responsabilidade de toda a sociedade, mas muito mais da responsabilidade da Secretaria de Educação. E, o que a gente vê, é que o nosso controlador que tem a função de controlar, de nos fiscalizar e de nos corrigir, quando a gente necessita, assume a liderança de um projeto dessa natureza. Ou seja, ele sai da sua pasta, das suas obrigações, para participar de projeto dessa envergadura”, afirmou.

 

A secretária da Mulher, Érika Filippelli, que sempre apoia as ações e projetos da CGDF, também estava presente. “A educação liberta e é uma forma de transformação da sociedade. Então, por que não a gente inserir a pauta da promoção da mulher, dos direitos da mulher dentro dessa discussão? Se nós queremos educar verdadeiros cidadãos, nós precisamos educar pra trazer também essa noção da igualdade”, enfatizou em seu discurso.

 

Parceiros

 

A subsecretária de Políticas para Crianças e Adolescentes da Secretaria de Justiça e Cidadania, Adriana Faria, destacou a logomarca do projeto que não traz nenhum dedo apontado para mostrar que estamos “de olho”, mas sim jovens de mãos dadas e levantadas como sinal de vitória. “A logo traz jovens de mãos dadas e erguidas, o que significa dizer que fazemos parte e podemos colaborar para melhorar, podemos vencer todos os obstáculos e dar novos rumos ao que esteja errado. A formação cidadã é uma das melhores coisas que se pode oferecer para crianças e jovens”, relatou.

 

Adriana Faria disse que se sente particularmente feliz em poder contribuir com a formação cidadã para essas crianças e jovens. “Parece fácil, mas não é. Como é difícil dar vez e voz para crianças e adolescentes. Muitas vezes é uma voz que não é reconhecida, mas é uma voz que pode fazer toda a diferença para nosso futuro”, alertou.

 

O subsecretário de Integração e Ações Sociais da Secretaria do Trabalho, Gerson Vicente, que está na direção da Fábrica Social, criada para profissionalizar alunos de baixa renda e prepará-los para o mercado de trabalho, disse que os estudantes estão animados. “Eu queria destacar a importância desse processo na vida desses alunos, são alunos hoje que já estão em processo de formação, uma qualificação profissional extremamente robusta, e agora vão ser todos empresários.”

 

A diretora-geral do Senado Federal, Ilana Trombka, afirmou que o Senado quer participar do projeto porque tem compromisso com a comunidade, inclusive com a do Distrito Federal. “Para o Senado Federal todo brasileiro, brasileira importa, todos os cidadãos nos importam. E esse é o tipo de projeto que deve iniciar no nosso quadradinho e ser exportado para as outras 26 unidades da federação, porque não há saída no nosso país que não seja pela a educação. O bom aluno, participativo, que cuida de sua escola, tem respeito pelo seu professor e empatia com o colega, vai ser o cidadão que cuida da sua comunidade e que tem respeito aos outros cidadãos. E é isso que nós precisamos, de participação, respeito e empatia. Esse projeto é o nascedouro de iniciativas de responsabilidade, educação e empatia. Por isso, é merecedor de todas as palmas que podemos dar a ele”.

 

Lenna Daher, procuradora do Ministério Público do DF, informou que o artigo 3º da Constituição Federal diz que o Brasil tem como objetivo fundamental criar uma sociedade justa, livre e solidária, e que a pobreza deve ser erradicada, as desigualdades sociais reduzidas, para que o bem de todos seja promovido.

 

“Essa sociedade ainda não existe. Foi falado muito aqui muito em transformação social. E é isso que a gente precisa, precisa transformar nossa realidade e o caminho é a educação. Não simplesmente uma educação que forme pessoas muito bem qualificadas tecnicamente, mas que tenham o senso crítico de ser cidadãos empoderados e que participem na condição de protagonistas dessa sociedade. E com esse projeto De Olho na Educação, existe a perspectiva da gente avançar”, observou.

 

A superintendente do SESI, Maria Gricélia, disse que a FIBRA através do SESI participa do Controladoria na Escola, agora De Olho na Educação, desde 2018, e que o grande desafio do ambiente educacional é a melhoria do ensino. Segundo ela, as três unidades do SESI, em Taguatinga, Gama e Sobradinho, participaram do projeto e implementaram melhorias nas escolas.

 

“Eu consegui perceber os ganhos trazidos pelos três projetos, principalmente, o projeto da unidade do Gama, sobre uso racional dos insumos. Eles mesmos montaram as planilhas, nos ajudam na área administrativa, e em como fazer o uso eficiente dos nossos consumíveis. Conseguimos reduzir significativamente o custo com insumos que eram usados na escola, graças ao projeto. Pode parecer uma pequena ação, mas tem uma importância enorme no ambiente de educação, porque hoje com o mundo da tecnologia, às vezes, nós estamos incutindo muito conteúdo nos alunos e esquecendo um pouco desses valores, que podem fazer a diferença para nossos alunos”, comemorou.

 

Ela relatou ainda que na unidade de Taguatinga, por ser a maior unidade do SESI no DF, existia um problema nos espaços de convivência dos alunos e através do projeto foram melhorados todos os ambientes. “Isso que faz a diferença nessa nossa busca das melhores práticas. Nessa busca de fazer com que o aluno seja de fato um protagonista, dentro de um processo de melhoria da educação como um todo.”

 

Outro parceiro, o presidente da TCB, Chancerley Santana, disse que a empresa está pronta para transportar de forma segura os alunos que participam do projeto. “Os micro-ônibus da TCB tem ar-condicionado e foram disponibilizados para o GDF. O nosso governador Ibaneis tem dito que tem que dar o melhor para a população, e é isso que também a TCB quer proporcionar com essas parcerias.”

 

O presidente do Instituto BRB, Romes Gonçalves Ribeiro, afirmou que uma das missões colocadas pelo governador Ibaneis para nova gestão do BRB é a intensificação e exploração das competências do instituto. “No primeiro semestre já fechamos o treinamento de 800 alunos com o projeto de educação financeira para educação infantil. Nesse segundo semestre, vamos treinar 2.500 alunos. A educação financeira é essencial para qualquer tipo de constituição do que é um cidadão. Paralelo a isso, haverá a publicação de vários editais para contemplar projetos sociais voltados para educação, que receberão incentivos financeiros. A participação no projeto De Olho na Educação da CGDF insere efetivamente o Instituto BRB como instrumento de governo para minorar as desigualdades sociais”, informou.

 

Também participaram da mesa o gerente de Operações do SENAI, Ricardo Pereira, e o tenente coronel Elisson da PMDF, responsável pelas escolas de gestão compartilhada. “Tive a oportunidade de trabalhar ano passado no Colégio da Polícia Militar Tiradentes e nós recebemos o projeto da Controladoria. Ele foi muito bem aceito pelos alunos e professores e quando terminou, todos queriam saber quando ele iria continuar”, comentou.

 

São parceiros da CGDF no projeto De Olho na Educação: Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal (SEEDF); Secretaria de Justiça e Cidadania do Distrito Federal (SEJUS/DF), por intermédio das Subsecretarias do NA HORA e Apoio à Vítimas de Violência e Políticas para Crianças e Adolescentes; Secretaria de Estado do Trabalho do Distrito Federal (SETRAB), por intermédio da Subsecretaria de Integração de Ações Sociais; Secretaria de Fazenda, Planejamento, Orçamento e Gestão (SEFP), por intermédio do Grupo de Educação Fiscal; Secretaria da Mulher; Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF); Centro de Políticas Públicas (CPP) da Polícia Militar do DF; SESI; SENAI; Defensoria Pública do Distrito Federal, por intermédio da Escola de Defensores; Transportes Coletivos de Brasília (TCB); Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT); Instituto BRB;  e Diretoria-Geral do Senado Federal.