Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
11/06/14 às 20h53 - Atualizado em 29/10/18 às 15h34

Encontro discute alinhamento estratégico das atividades de Controle Interno

Evento voltado aos servidores da Controladoria e das UCIs tratou dos desafios que cercam as ações de controle realizadas pela Secretaria de Transparência e Controle em todo o GDF

 

Mais de 100 auditores participaram na terça, 10, do I Encontro do Controle Interno da STC. O evento foi promovido pela Controladoria-Geral, órgão da Secretaria de Transparência e Controle do Distrito Federal (STC), e atende às atividades previstas no Planejamento Estratégico 2012-2015.

 

A realização desse encontro também se justifica, de acordo com Marcelo Herbert, Controlador-Geral, pela necessidade de promover a comunicação e a integração entre as diversas unidades do órgão central de Controle Interno.

 

“Nós precisamos fazer esse alinhamento para otimizar o trabalho não só da Controladoria, mas das Unidades de Controle Interno. Nos últimos meses, vimos realizando diversas reuniões técnicas para fazer o nosso planejamento. Hoje vamos, aqui, traçar o papel de cada um”, disse.

 

A tônica do evento, que ocorreu no Auditório do Tribunal de Contas do DF (TCDF), foi discutir, também, quais as medidas necessárias para melhorar as atividades do Controle Interno. A Controladoria é responsável por auditar as contas das 157 unidades da Administração Direta e Indireta do GDF, auditorias especiais e inspeções, auditorias de pessoal ativo e inativo, bem como realizar a prestação de contas do governador, mas, para isso, dispõe de um corpo reduzido de servidores: 84 auditores, 21 inspetores e três analistas de gestão pública – 43% a menos que em 2011, quando a Secretaria foi criada pelo Governador Agnelo Queiroz.

 

Ainda em sua explanação, o Controlador-Geral apresentou o organograma da STC e da Controladoria-Geral, detalhando a estrutura desta última, que é composta por seis controladorias-adjuntas, três assessorias e 13 diretorias. Ele chamou a atenção para as 34 Unidades de Controle Interno (UCI), que embora estejam distribuídas pelos demais órgãos do GDF também integram o Controle Interno. “Com as UCIs, nós colocamos o auditor do lado do gestor, para orientar e assessorá-lo”, ressaltou.

 

Marcelo Herbert disse que a integração de todas essas unidades é essencial para cumprir o que há na visão da Secretaria de Transparência e Controle. “Precisamos chegar a este ponto: a excelência”, acrescentou. Para isso, o Controlador lembrou que há uma série de investimentos já realizados e em curso cujo foco é a modernização tecnológica e a capacitação técnica.

 

ÊXITO – Para mostrar exemplos de como os auditores podem otimizar os trabalhos, foi apresentado o case da Diretoria de Pessoal Inativo (Dirpi) da Controladoria Adjunta de Pessoal (Conap). O órgão, que audita os processos de aposentadoria e pensão dos servidores do GDF, conseguiu aumentar a produtividade em 69% no período de um ano, mesmo tendo apresentado uma redução no quadro de pessoal: de 14 para nove.

 

“Chegamos ao fim de 2013 com nove mil processos em estoque. Precisávamos mudar essa situação, por isso modificamos a performance do nosso trabalho: estipulamos metas pessoais e formamos equipes para melhorar o fluxo. Conseguimos um excelente resultado”, afirmou Elene Maria Mello, diretora da Conap.

 

O Observatório do Gasto Público (OGP), uma das ações de modernização da estrutura tecnológica da STC, foi apresentado pelo chefe da área Guilherme Melo. Implantado há um ano, o OGP faz cruzamento de dados dos diversos sistemas do GDF e do governo federal, o que tem resultado em grandes avanços no trabalho dos auditores. “Estamos no começo, mas já obtivemos grandes resultados”, ponderou.

 

Wellington Moreira, da Diretoria de Auditoria de Pessoal Ativo (Dirpa), órgão da Conap, fez uma apresentação baseada na experiência do setor que dirige, cuja parceria com o OGP tem sido fundamental. A Dirpa audita a folha de pagamento dos servidores ativos do GDF – que hoje está em R$ 1,8 bilhão – com uma equipe de três auditores e quatro inspetores.

 

Outro órgão que também passou a otimizar o trabalho após a parceria com o OGP foi a Diretoria de Fiscalização de Planos e Programas de Governo (Difip). O diretor Gustavo Lírio mostrou os gráficos gerados pelos sistemas de que o Observatório dispõe e que foram gerados com um simples clique, enquanto em períodos anteriores o mesmo processo demoraria dias para ser finalizado.

 

“Precisamos que todos tragam as ideias. Vamos fazer ainda mais eventos como esse, mais capacitações, mais planejamento. Isso é importante para que todos possam andar no mesmo caminho”, disse o Controlador-Geral Marcelo Herbert, ao encerrar o evento.